"Mesmo que os meus versos nunca sejam impressos, Eles lá terão sua beleza, se forem belos." (FERNANDO PESSOA)

SEBO ARILOQUE

SEBO ARILOQUE
Encontre aqui seu livro!

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

VISCERALIDADE



Agora tudo me sai num arrebento,
Uma explosão de descontento,
A um passo de estar sedento...
Para no sacrifício poder transpor,
A asfixia do torpor,
Na fragilidade a se expor.
Em breves minutos, desfalecer,
Noutros mais breves, reviver,
Numa fração de segundos, responder:
Será tão amarga a sensação de existir,
Na confusão irreal que é sentir,
Saudade ou algo       sem definir?

Imagem: Dostoiévski - 1872
(23/01/2008)

7 comentários:

  1. Adrianoooooooo

    Gostei do teu blog, já até coloquei o link no meu.

    beijos

    ResponderExcluir
  2. Era esta a palavra que eu estava tentando encontrar: Visceral!!!!
    Tem alguma coisa errada no link do meu bloguinho! Checa lá!
    beijocas
    tudo muito lindo...
    "Brienda"

    ResponderExcluir
  3. Essa angústia transposta nessas palavras está muito próxima de mim, e é como me sinto também.

    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  4. As palavras possuem um lugar certo para dizer daquilo que se sente e renovar o sentido perdido.

    Fica um espaço vazio em espera...

    Beijo meu

    ResponderExcluir
  5. Falta de beber uma boa cerveja,
    tecer conversas outrora saudosas
    reviver passado, degustando o doce
    planejar o futuro, aqui no presente.

    Ve se aparece pelas bandas de cá.

    ResponderExcluir
  6. Professor, mais uma vez não há o que comentar, apenas incrível, show...meus parabéns. Para mim, é uma honra ler estes poemas maravilhosos.

    ResponderExcluir

Costuro o infinito sobre o peito.
E no entanto sou água fugidia e amarga.
E sou crível e antiga como aquilo que vês:
Pedras, frontões no Todo inamovível.
Terrena, me adivinho montanha algumas vezes.
Recente, inumana, inexprimível
Costuro o infinito sobre o peito
Como aqueles que amam.

Hilda Hilst

Postagens populares

LICENCIADO CC

Licença Creative Commons
PESCADOR DE PENSAMENTOS de Adriano C. Tardoque é licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 Unported.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://www.facebook.com/adriano.tardoque.