"Mesmo que os meus versos nunca sejam impressos, Eles lá terão sua beleza, se forem belos." (FERNANDO PESSOA)

SEBO ARILOQUE

SEBO ARILOQUE
Encontre aqui seu livro!

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2008

SONHO PARA 2014



Marlon acorda cedo. Sem mesmo lavar o rosto, calça as chuteiras de marca famosa que ganhou como melhor jogador num amistoso do time em que atua, promovido pela Secretaria de Esportes da sua Cidade. Antes de sair de casa para o treino, procura por pão e leite para saciar sua fome. Não encontra. Toma um copo d’água e sai, após certificar-se de que seu irmão Mario, de sete anos, está acordado e cuidará do outro irmão, Marcio, de nove meses. Está feliz por saber que no dia anterior o Brasil foi escolhido para sediar a Copa de 2014. O sonho brilhou mais do que nunca em seu coração e sua mente. Aos onze anos e com o mesmo ideal de milhares (ou milhões) de garotos pelo Brasil, deseja ser jogador de futebol profissional, titular do Corinthians (por quem é apaixonado) e da Seleção Brasileira. Com aplicação e empenho, acredita que aos dezoito anos, poderá fazer parte do grupo que disputará o Mundial daquele ano (afinal, como sabe, Pelé, negro como ele, jogou uma Copa com dezessete anos!). Sua mãe (empregada doméstica) apóia que siga a carreira de jogador de futebol, permitindo que falte de duas a três vezes por semana na escola, para participar dos treinos do time. Deseja que ganhe muito dinheiro e ajude a melhorar as condições em que vivem. Moram em um barraco de madeira construída em área de risco à margem de um córrego, onde uma televisão (em sua casa tem uma!) e um sofá (em sua casa não tem um!), jogados em seu leito, obstruem o fluxo de água. Na última chuva forte, enquanto sua mãe e vizinhos lutavam para salvar móveis, roupas e poucos eletrodomésticos, além de tentar escoar a água de dentro de casa, Marlon chutava a bola num muro, a alguns metros dali, sem preocupar-se em ajudar. Gritava nome de jogadores, associando-os a dribles e provocações de torcida. A cada toque na bola, cerrava os punhos e a energia ali concentrada, irradiava certo ódio à sua condição de vida e esperança em acontecer de fato como astro da bola. Qualquer semelhança com a realidade é mera certificação de que a verdade pode doer muito, até quando se trata de um sonho.
Postado originalmente em http://clubedacronica.blogspot.com em 19/12/2007.

2 comentários:

  1. O país do futebol, carnaval e samba. E nada se faz para que as afirmações de um povo não se limite somente a isso. O principal protagonista da novela das 21h (um dia já foi das 20h), a frente de uma escola de samba grita: "agora vamos mostrar nosso valor para o mundo!". E todos dançam e cantam. A "alegria" das coisas do povo brasileiro, justifica a liderança violenta e muitas vezes criminosa de uma comunidade carente. Uma bazuca debaixo da cama não é nada. Alegria é dividir a festa com o povo sem educação, cultura crítica e reflexiva. E dalhe Copa do Mundo em 2014!
    Antonio Padilha

    ResponderExcluir
  2. Pão e circo ao povo, esta é a palavra de ordem neste país que se promove mostrando neguinhas passistas de escolas de samba (alias eu vou me preparar para em 2014 posar de neguinha de escola de samba, afinal 1,10m de perna tem que servir pra alguma coisa, rsrsrs).
    Este esteriotipo me deprime!

    Viva o país do futebol!!!!

    ResponderExcluir

Costuro o infinito sobre o peito.
E no entanto sou água fugidia e amarga.
E sou crível e antiga como aquilo que vês:
Pedras, frontões no Todo inamovível.
Terrena, me adivinho montanha algumas vezes.
Recente, inumana, inexprimível
Costuro o infinito sobre o peito
Como aqueles que amam.

Hilda Hilst

Postagens populares

LICENCIADO CC

Licença Creative Commons
PESCADOR DE PENSAMENTOS de Adriano C. Tardoque é licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 Unported.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://www.facebook.com/adriano.tardoque.