"Mesmo que os meus versos nunca sejam impressos, Eles lá terão sua beleza, se forem belos." (FERNANDO PESSOA)

SEBO ARILOQUE

SEBO ARILOQUE
Encontre aqui seu livro!

domingo, 27 de abril de 2008

"EU TE QUASE AMO", OUVI DIZER...



Eu vejo em ti, libélula prestes a voar
Tu me olhas então, coisa que não pode acontecer
Eu penso em ti, ideias que a vida não há de prover
Tu me lembras então, um personagem por não tocar.
Eu sinto por ti, desejo de alegria e acalanto
Tu me sentes então, num quadro de “quase amar”
Eu falo sem ti, com razões a mais por zelar
Tu me falas então, das coisas que te fazem encanto.
Eu crio pra ti, palavras em síntese do que se passou
Tu me crias então, nos riscos e cores do seu coração
Eu sonho contigo, coisas da vida e sem perfeição
Tu me sonhas então, um lapso que o tempo não reservou.

7 comentários:

  1. "...Te crio nos riscos e nas cores do meu coração...."
    No pouco que conheço.
    Na intensidade do sentimento;
    Te crio...
    Na confusão de meus pensamentos;
    Por que a de ser esse tormento?
    ....
    ....
    ....

    ResponderExcluir
  2. Isso é perfeito!!!
    Como podes saber exatamente o que acontece com o pensamento e o coraçao de outrem?
    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Vejo nessa palavras um arelação profunda e não superficial entre duas almas, tão distante da promiscuidade e futilidade da maioria das pessoas.
    Um abração!

    ResponderExcluir
  4. Poisa as mãos nos meus olhos, com carinho,
    Fecha-os num beijo dolorido e vago...
    E deixa-me chorar devagarinho...

    (Faz das palavras de Florbela às minhas)

    Beijo meu

    ResponderExcluir
  5. Sonoro, plástico e incrivelmente sensível. Ai dos amores intocáveis...
    Antonio Padilha

    ResponderExcluir
  6. Belo e triste, por mais dos belos floreios que tecem o gosto é amargo e certas horas porque não triste?
    Infelicidade e contradições, são o combustível gasto nas mais belas poesias e canções.

    ResponderExcluir
  7. Ofereço-te
    a imensidão da imaginação,
    a ferida e a cura,
    a lágrima e o sorriso.

    Beijo meu

    ResponderExcluir

Costuro o infinito sobre o peito.
E no entanto sou água fugidia e amarga.
E sou crível e antiga como aquilo que vês:
Pedras, frontões no Todo inamovível.
Terrena, me adivinho montanha algumas vezes.
Recente, inumana, inexprimível
Costuro o infinito sobre o peito
Como aqueles que amam.

Hilda Hilst

Postagens populares

LICENCIADO CC

Licença Creative Commons
PESCADOR DE PENSAMENTOS de Adriano C. Tardoque é licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 Unported.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://www.facebook.com/adriano.tardoque.