"Mesmo que os meus versos nunca sejam impressos, Eles lá terão sua beleza, se forem belos." (FERNANDO PESSOA)

SEBO ARILOQUE

SEBO ARILOQUE
Encontre aqui seu livro!

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

SÃO PAULO: CARTA AO AVESSO NOSSO DE CADA DIA

Edifício Copan

Como muitas coisas em ti, minhas palavras também se atrasaram. Mas saiba que envolto a chuva/garoa que te assolava no dia em que eras bendita, pensava eu no que queres tu de mim e no que quero eu de ti. O melhor de tudo isso é sempre nunca chegar a nada. Pois nos resultados se perdem os improvisos e deixaremos então o jazz para jazer em qualquer um dos milhões de cantos que preparas com sombras ou luzes coloridas. O quanto já te odiei, agarrado ao teu seio cultural e tantas outras vezes te amei em saudade louca das tuas veias congestionadas prestes a arrebentar jorrando a falta de marasmo para todos os lugares... E feliz, eu sou outro filho teu, que gerado no teu ventre, devora-te pelas vísceras. Assim tu nasces e morres em meus olhos e palavras, todas as vezes que eu produzir-te ao que não entenderá jamais o que é tua concreta deselegância. De fato, tu és, um mar de arrogância! Monumental, babilônica, cosmopolita, paradoxal, nevrálgica... Lar, com café amargo, lar.

Imagem: http://www.urbanamente.net/blog/2009/07/08/poesia-concreta/

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

SÚPLICA AOS OLHOS




Olhos meus,
Outrora condenados...
Deixem de ser,
Espelhos!
Caiam, partam-se
E retornem,
Projetores,
Do que
De fato,
Produz meu
Coração
Em minha
Alma!

sábado, 16 de janeiro de 2010

ÉS TU, HORIZONTE?


A devastadora
Doçura que
Cobre meus
Olhos quando
És tu,
Horizonte?

Ouves
A descomunal
Busca de
Palavras que
Afaguém
Tu e, a mim,
Verticaliza?

Degusta...
Deixa os aromas
Trazerem
Sentimentos, os
Sabores e as
Dádivas de vivermos
Em paralelo.

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

AS LUZES SINGULARES DO PRIMEIRO DIA


Edifício na Avenida Paulista*

Metrópole és vazia...
Coração, enchendo
e a mente
Transbordante.

Eu,
Autóctone meu,
Singular,
Substantivo,
Substanciável...

Cavalgando
O coletivo,
Refletindo n'alma
as coloridas luzes,

Brilhantes edifícios,
Asfalto espelho,
é difícil, assim,
Não ser cor
Nem Luz.

A casa,
Volta-me
em volta, confortável
Mente
Sedada.

Um
De um,
De dois mil
De dez.
De si.


Costuro o infinito sobre o peito.
E no entanto sou água fugidia e amarga.
E sou crível e antiga como aquilo que vês:
Pedras, frontões no Todo inamovível.
Terrena, me adivinho montanha algumas vezes.
Recente, inumana, inexprimível
Costuro o infinito sobre o peito
Como aqueles que amam.

Hilda Hilst

Postagens populares

LICENCIADO CC

Licença Creative Commons
PESCADOR DE PENSAMENTOS de Adriano C. Tardoque é licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 Unported.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://www.facebook.com/adriano.tardoque.